Associação Limeirense de Jóias

A Empresa

A Associação Limeirense de Jóias - ALJ, foi fundada em 30 de setembro de 1997. A nossa meta é trazer para os associados informações relevantes sobre o que está acontecendo no mercado e melhorar as negociações com entidades sindicais e governamentais e implementar tendências de design, feiras e tudo mais que o setor necessita.

O Projeto Piloto de Prevenção à Poluição (P2) foi desenvolvido pela Cetesb - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental com total apoio da ALJ, em parceria com 5 indústrias de bijuterias do Município de Limeira e teve como principal objetivo a redução da geração de poluentes e otimização do consumo de recursos nos processos produtivos de forma voluntárias pelas empresas.

Em parceria com a CETESB e Águas de Limeira a ALJ promove cursos de tratamento de efluentes e palestras sobre efluentes e meio ambiente.

Acreditamos que orientações feitas por profissionais adequados tragam benefícios aos empresários e permitam uma constante evolução do setor projetando assim Limeira em âmbito mundial.

A história do início das indústrias de jóias e bijuterias na cidade pode ser contada por Irma Lencioni Cardoso. Viúva de Eduardo Urbano Cardoso, fundador da Indústria de Jóias Cardoso - a primeira da cidade, ela dirigiu a empresa por 18 anos. Lúcida aos 83 anos, Irma conta como foi o começo do setor na cidade. A importância do relato se dá ao fato de Limeira ser, hoje, uma das principais cidades - senão a principal -, fabricante de bijuteria bruta do Brasil. Mas antes, foi um centro de ourivesaria de destaque.

Eduardo Urbano Cardoso veio de São Carlos para Limeira em 1938, junto com seu pai, também ourives, João Martins Cardoso. Na época, Cardoso já era casado com Irma. Pai e filho montaram uma relojoaria e oficina de conserto de jóias, juntamente com Sylvio Cavasin.

João Martins Cardoso faleceu em 1940 e o filho Eduardo, em 1945, abriu uma pequena empresa e iniciou a produção industrial de jóias em pequena escala. A fábrica funcionava em um prédio inacabado, na rua Santa Cruz. Mas o crescimento dos negócios veio rápido. Cinco anos depois, no dia 24 de junho de 1950, foi inaugurada a Indústria de Jóias Cardoso.

Naquela época, era a maior indústria do setor, no país, com mais de cem funcionários. O sucesso rápido é atribuído ao talento de Cardoso, que vinha de uma família de tradição na profissão de ourives. "O Eduardo aprendeu a profissão aos oito anos e era muito bom nisso. Mas ele tinha talento também para administrar os negócios", acrescentou Irma.

O trabalho na Cardoso era predominantemente manual, apesar do início da industrialização e produção em escala. Como acontece hoje, era comum o recrutamento de mulheres para a atividade de solda. "A qualidade da jóia da indústria Cardoso ficou conhecida no país todo", disse Irma. A Cardoso possuía escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo, além de um grande número de representantes em todo o estado.