http://www.facebook.com/ramojoalheiro http://br.linkedin.com/in/ramojoalheiro Google + Youtube Pinterest Skype RSS Acesso Vip Contato Webmail
http://www.facebook.com/ramojoalheiro Pinterest
VOCÊ ESTÁ EM: HOME / Artigos e Notícias /

Bota cravejada em diamantes que custa 77 mil reais na Festa de Peão em Barretos



[Direto da Redação]

 

O empresário Olívio Martins, que é conhecido por confeccionar botas com couros exóticos há 44 anos, superou o próprio recorde e apresentou na 58ª Festa do Peão de Barretos (SP) o modelo de botas considerado o mais caro já produzido no país.

 

Uma bota feita em couro de cobra píton, pó de ouro e salto cravejado em diamantes de 2,5 quilates, custa R$ 77 mil.

 

Há nove anos, o empresário viaja de Ipiguá para Barretos, especialmente para lançar as peças diferenciadas durante o maior rodeio da América Latina. Mas neste ano ele superou a própria expectativa. Meus produtos sempre foram reconhecidos em todo o país, mas o lançamento dessas botas renderam a maior repercussão da fábrica até hoje. O telefone e o e-mail não param, comentou Olívio Martins.


Ele não revela detalhes sobre a confecção das botas, como onde obtém e quanto paga por cada pedra preciosa. Em entrevista ao G1, o calcadista diz apenas que cada par tem 54 gramas de ouro e 110 diamantes do tipo champanhe, conhecidos pelo tom marrom, totalizando R$ 48 mil em matéria-prima. O preço da mão-de-obra e do couro exótico não é contabilizado. Cada detalhe é cuidadosamente costurado à mão. É um trabalho artesanal, afirma.

 

A bota que era considerada a mais cara e que agora está em segundo lugar no ranking informal dos produtores de calçados brasileiros também foi produzida por Martins para a Festa do Peão de Barretos, no ano de 2011. Costurada com couro de arraia, salto banhado em ouro e detalhes em rubi e diamante, o par era avaliado em R$ 55 mil.

São muitas as opções de couro usadas por Olívio, como arraia, avestruz, jacaré, cobra, elefante e tubarão, além de peles exóticas e raras como crocodilo do Rio Nilo, pirarucu da Amazônia e lagarto dos Estados Unidos, todas liberadas pelo Ibama.


Apesar dos valores, Martins diz que não trabalha por dinheiro. Bota é uma coisa que eu faço com paixão. Não tenho horário para trabalhar, vivo isso. Antes, eu trabalhava para ganhar dinheiro e não era feliz. Agora, tenho um trabalho lucrativo e que me realiza, disse ele.

 



CREDITOS:

Licença de Uso

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License.


COMENTE COM O FACEBOOK



Deixe Seu recado


Nome:

Campo obrigatório

Email:

Campo obrigatório

Comentário:

Campo obrigatório

Campo obrigatórioDigite os números da imagem ao lado

 

  



Veja Também


Você já pensou em revender semi joias?
| Oportunidade de revenda de semijoias como atividade de renda extra para você