http://www.facebook.com/ramojoalheiro http://br.linkedin.com/in/ramojoalheiro Google + Youtube Pinterest Skype RSS Acesso Vip Contato Webmail
http://www.facebook.com/ramojoalheiro Pinterest
VOCÊ ESTÁ EM: HOME / Entrevistas /

Entrevista com o Presidente da Ajorsul Fair Mercoóptica , Rogério Sperb Rodrigues



Rogério Sperb Rodrigues, atual presidente da Ajorsul Fair Mercoóptica, fala para o portal Ramo Joalheiro um pouco sobre estes importantes eventos do ramo joalheiro, fala das melhorias na estrutura, da importância dos compradores e dos planos e estratégias para a próxima edição.


RJ: Fala pra nós sobre o perfil da feira AJORSUL.
Rogério: É uma feira multisetorial. Concentra o segmento de jóias e agora também jóias folheadas em prata, relógios e ótica.

RJ: Qual o tamanho da feira? Quantos expositores?
Rogério: Este ano chegamos a 156 expositores com uma ocupação de 10.000 metros quadrados (pavilhão). Área locada de exposição acima de 4.000 metros quadrados.

RJ: Com a união dos diversos setores, o que isso contribui para o comprador que visita a feira?
Rogério: O varejista está aumentando o mix das suas lojas e na verdade ele vem buscando alternativas, justamente para poder continuar no mercado e ter condições de competitividade. A loja não pode trabalhar apenas com o ouro, ela também tem que trabalhar com a jóia folheada em prata. A jóia folheada em ouro também está abrindo espaço muito grande nas lojas. O relógio voltou a ser um objeto de consumo, de moda, não só para seguir as horas mas para compor o look. E os óculos, realmente hoje é uma peça que deixou de ser um trauma e a população encara o uso desse adorno como composição de moda e de perfil.

RJ: A que você atribui essa modificação da estrutura, do aumento dos expositores. O que contribuiu para isso?
Rogério: Uma das vantagens da Ajorsul está no período em que ela acontece. No final de setembro aonde os grandes lançamentos de jóias, ótica e relógios já aconteceram e estão sendo lançados justamente para poder pegar a safra de fim de ano. E os lançamentos para primavera/verão. Todo novo lançamento chega nesse período e se o lojista não repor agora ele fica com dificuldades de vender bem no Natal, justamente por não ter produtos para oferecer pro seu cliente.

RJ: Esse ano a feira completa 20 anos e quais foram as principais dificuldades que você enfrentou até hoje?
Rogério: Na verdade nós estamos no comando da Ajorsul há 3 anos. Essa é a quarta feira e tivemos mais sabores, mais pontos positivos do que negativos. Mas ela passou por uma reformulação administrativa e de diretoria também e com isso conseguimos criar um ciclo de planejamento estratégico e um dos projetos era a profissionalização da feira. Então, ela vem sendo transformada e readequada há 3 anos. Ela foi, num primeiro momento estendida para as laterais ( no 1º, 2º e 3º anos) e no 4º ano a diretoria teve a audácia de fazer um
Layout novo e tivemos a sorte de que o expositor também acreditou nesse novo momento e investiu, quer dizer, os stands são diferenciados e realmente criou a beleza e a harmonia na feira que hoje estamos apresentando.

RJ: Em 2010 a feira completará 21 anos e atinge a sua maioria absoluta. Quais os principais desafios que a Ajorsul tem para trilhar e continuar no caminho do sucesso?
Rogério: A feira deverá crescer mais um pouco, principalmente no setor de ouro, de jóias, mas nosso grande desafio é transformá-la numa feira realmente internacional. Aonde nós vamos ter a mesma visibilidade que hoje temos no mercado interno, mas com uma feira voltada também pro mercado externo. Adequando as empresas que hoje não tem a estrutura de exportação e temos alguns aparelhos dentro da feira que permitem com que essas empresas comercializem ou que iniciem os contatos com uma futura busca de mercado externo e nós temos esse potencial porque o Rio Grande do Sul é hoje o segundo pólo joalheiro, principalmente no setor de jóias folheadas em prata e crescendo no setor de ouro. A partir do momento que as empresas de folheados começam a se sentir mais sólidas elas começam também a produzir ouro, então o espaço de ouro também está crescendo. Precisa mercado para ser atendido. Há 4 anos desenvolvemos o projeto comprador junto com a APEX, IBGM e SEBRAE, um projeto que ainda está tímido mas que pode ser muito maior, até porque temos condições de atender um mercado bastante grande fora do país e o governo tem condições de trazer esses compradores.


Veja www.ajorsul.com.br


CREDITOS:

Licença de Uso

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License.


COMENTE COM O FACEBOOK



Deixe Seu recado


Nome:

Campo obrigatório

Email:

Campo obrigatório

Comentário:

Campo obrigatório

Campo obrigatórioDigite os números da imagem ao lado

 

  



Veja Também